Siga a FCDL nas Redes Sociais

Pesquisar
Close this search box.

TERMÔMETRO DO VAREJO (SET-23)

Dados setoriais indicam perda de força da atividade econômica em Mato Grosso do Sul e devem ensejar discussão sobre a retomada

Os dados setoriais de Mato Grosso do Sul estão mostrando uma desaceleração nas atividades comerciais, industriais e de serviços. Após um período de crescimento significativo, especialmente no setor de serviços, que foi menos impactado pela pandemia em comparação com a média nacional, estamos vendo uma desaceleração. No comércio, temos duas realidades: o comércio varejista, excluindo vendas de veículos, materiais de construção e atacado de alimentos e bebidas, registrou um aumento de 3,1% este ano. Por outro lado, o varejo ampliado, que inclui todas as atividades comerciais, teve uma queda expressiva de 7,5% na mesma base de comparação. No que diz respeito aos consumidores, ainda estamos vendo a criação de empregos formais, mas o saldo de julho foi menor do que no início do ano. Essa desaceleração da atividade econômica é um dado importante para que os setores discutam estratégias de retomada.

No comércio de Mato Grosso do Sul, diferentes segmentos estão apresentando desempenhos distintos: o comércio varejista cresceu 4,9% no acumulado do ano, enquanto o varejo ampliado caiu 7,5%. As vendas do comércio no estado tiveram uma queda em julho de 2023 em comparação com o mês anterior. Houve uma redução de 1,3% no comércio varejista e de 0,8% no varejo ampliado. No entanto, se olharmos um período mais longo, veremos que o comércio varejista está crescendo no estado, apesar da queda mensal. Comparando as vendas de janeiro a julho de 2023 com o mesmo período de 2022, houve um aumento de 3,1%; e no acumulado dos últimos 12 meses até julho, o comércio varejista registrou um crescimento de 4,9% nas vendas. Já o varejo ampliado teve uma queda de 7,5% no acumulado do ano (janeiro a julho) e de 2,9% nos últimos 12 meses. Esses dados mostram que as vendas do varejo ampliado estão em queda há algum tempo em Mato Grosso do Sul. Em 2022, houve um aumento de 4,3%, mas desde então essa taxa vem diminuindo, indicando uma desaceleração no crescimento e uma queda a partir de maio de 2023, que se intensificou nos últimos dois meses. Por outro lado, o comércio varejista teve um crescimento ao longo desse período, com as vendas aumentando em 6,9% em janeiro de 2023. Nos meses mais recentes, o ritmo de crescimento diminuiu, mas ainda é positivo, indicando um aumento nas vendas no comércio varejista do estado.

No setor de serviços de Mato Grosso do Sul, vimos uma queda até julho de 2023, após um período de crescimento. O setor de serviços é uma parte importante do PIB do estado e teve um desempenho expressivo nos últimos anos. Em 2020, durante o auge da pandemia, o setor teve uma queda, mas muito menor do que a média nacional. A partir de 2021, houve uma rápida e forte recuperação na prestação de serviços. Agora estamos vendo uma moderação na atividade do setor. A produção industrial também está apresentando uma queda no acumulado do ano, com uma redução de 1,2%. Por fim, as estimativas do Ministério da Agricultura e Pecuária indicam um crescimento de 2,7% no faturamento bruto da agricultura e criação de animais no estado.

No que diz respeito ao emprego, os dados do CAGED mostram que, em julho de 2023, foram criadas 2,4 mil vagas formais de trabalho em Mato Grosso do Sul. Ao longo de todo o ano, as contratações superaram as demissões, resultando em um saldo positivo na criação de empregos.

Exportações de Mato Grosso do Sul crescem e importações recuam em 2023. A China é o principal destino das exportações do estado.

O Crédito às famílias cresce mais do que o crédito às empresas. Taxa de inadimplência bancária é baixa no estado.

O Comércio de Campo Grande lidera criação de empregos em julho de 2023, gerando 286 vagas formais. O IPCA em Campo Grande teve variação de 3,3% nos últimos 12 meses. Os gastos com alimentação, transporte e habitação representam os maiores percentuais no orçamento das famílias locais.

Compartilhe: